Quando Chove Em Salvador



Hoje em Salvador choveu todas as lágrimas.
O que era para chover em um mês,
Desabou em um dia,
Assim como todas as coisas ruins que acontecem na vida.

Como sempre o trânsito ficou lento
As ruas do Dique transbordaram.
Mas o campo Grande ainda parecia bonito,
porém triste...
Como o rosto de uma criança que chora.

O céu estava carregado,
escuro,
e sombrio.

Os poucos que saíram às ruas
comtemplaram uma energia estranha,
melancólica.
O Pelourinho estava cinza.
O Centro estava cinza.
E as calçadas da Carlo Gomes
não estavam apenas cinzas,
estavam também abandonadas,
solitárias.

Até na Barra a brisa do mar soprava frio.
Nenhuma baiana vendia acarajé,
Nenhum moleque nas ruas a pedi um trocado...
tudo estava em um mais completo vazio.

Oh meu Deus...
Essa tristeza toda
é de Salvador
ou é minha?

Helton Ojuara

Meu Coração de Pedra


Não se engane
 Hoje olhei- me  no espelho 
das poças da chuva formada no chão
E retirei de dentro de mim
 Aquilo que incomoda tanto os homens
 E quando segurei nas mãos
 Pasmo constatei a obviedade

Tenho um coração de pedra

Mármore puro

Liso, frio e duro

Mas meu coração de pedra  
Pesa
 O peso maior do mundo
 Seguro   ele entre  as mãos 
como quem segura um martelo
 Com força ,  com firmeza com  tristeza

Meu coração de Pedra nao bate
Não esquenta
 Nem doi mais.
Está insensível  a própria vida
 Que vida?  
Não há vida - só pedra

Olho o céu e vejo nuvens pesadas
Carregadas de lágrimas?
Levanto  as mãos  e espero
Que ao cair da chuva 
As gotas de amores
Amoleça esse meu coração de pedra.

Helton Ojuara


Semana Santa !? pra quem?


Em Salvador a semana santa foi um inferno.  Sair da cidade para passar o FDS em outro lugar foi uma tarefa de gueirreiro. Olhe as fotos da Rodoviaria.... quase meia noite e meia e eu me sentia como se estivesse em pleno carnaval, no circuito Campo  Grande... affe! Pois é . Mas se nao basteasse isso, ainda sei que pegarei um engarrafamento cavernoso na volta. Que venha a Copa!!

Porque os poetas morreram? - Poesia



 
Porque os Poetas morreram?

O reógio lento na parede
ouço as gotas da chuva que cai na janela do quarto
lágrimas de um mundo vazio
alguns pensamento perdidos

Porque os poetas morreram?

Não é porque a morte é para todos?
e todos  se resume a tudo.
Bons e maus, velhos e novos,
realistas ou sonhadores,
romancistas ou poetas.
Não, não é por isso.

Os poetas morreram porque lutar cansa
Cansa no sentido mais fadigante da palavra
lutar.... lutar...lutar
Lutar  contra  os jovens que hoje ficam,
beijam,  transam mas não amam,
lutar contra a idéia constante  do ter
do desejar  do gozar  do largar
o amor é apenas uma  lembrança
de algo que existiu há muito tempo.

Porque os poetas morreram?

Porque antes o indubitável das rimas  era a estrela guia da alma.
Hoje as almas são vazias e  mergulhadas em álcool drogas e sexo
o que antes existia como hoje
possui menos sentido como  ontem.

 E assim os poetas morreram um a  um.
Como moscas bêbadas  que caem  em um bolo  doce e amargo
tão inúteis que ninguém deu por falta.
porque? porque para muitos, senão quase todos
As palavras são frutos sem graça, sem gosto e  vazios
e se não há mais sentido nas palavras
então quem acredita que há  ainda  sentido nos poetas?

Agora chove copiosamente la fora.
levanto a cabeça  quase triste o meu pensamento se encerra.

Descansem em paz,
pois esse mundo não mais os merecem.

Mais de 100 Templates para Baixar Gratis


Pessoal segue abaixo uma lista com mais de 100 Templates. 

Para todos os tipos e todos os gostos.  Fornecerei tambem o link para os respectivos sites e blogs que  possuem o crédito de suas disponibilidades.

Espero ter ajudado a economizar tempo.

Abraços ojuarianos

http://baixartemplatesnovos.blogspot.com


Como o Blogger tem uma limitação de dados para a página principal do blog coloquei os Templates em uma  um Link a parte. Ou seja,  para visualizar todos os Templates confira  a página  de    " Templates Gratis"
(à sua direita no vídeo rs rs)

Templates fornecidos pelo  blog Baixar templates novos

Template do Brasil Filmes Online - Blogger


Template de Filmes Online Blog


Baixar Template - Baixar Template


Template do Notícias Popular - Blogger


Template do Noticias Popular para Blogger


Baixar Template - Baixar Template


Template Coca Filmes - Blogger


Template Coca Filmes


Baixar Template


Templates fornecidos pelo  site Templates Gratis

Coffee DeskDesk Mess
CATEGORIA: TEMPLATES BLOGGER
deskmess
Este é um template muito bonito e que tem uma estética impecável. Ele exprime a nossa bagunça, mas com estilo. As coisas soltas sobre a escrivaninha em que escrevemos o post nosso de cada dia.
Como instalar este template no Blogger? Todos os templates disponibilizados neste blog contém um arquivo chamado leia-me.txt. Abrao-o e siga as instruções. É fácil!
CATEGORIA: TEMPLATES BLOGGER
cdesk1
Coffee Desk é um lindo template para o Blogger. Moderno, criativo, inteligente… enfim, não faltam bons adjetivos para explicar este template.
Você também tera que configurar a data da postagem.
Configurações adicionais deste template
Como configurar a data: vá em Configurações, em seguida Formatação
No segundo item você tem que escolher a terceira opção
No terceiro item você tem que escolher a opção: (março 2009)
No quarto item você tem que escolher a quarta opção
Salve todas as alterações.
Esse template é uma adaptação do WordPress para o blogspot.
Como instalar este template no Blogger? Todos os templates disponibilizados neste blog contém um arquivo chamado leia-me.txt. Abrao-o e siga as instruções. É fácil!
zinepress
Um template perfeito para você que tem uma revista em seu blog. Template estilo Magazine para o Blogger.
Como instalar este template no Blogger? Todos os templates disponibilizados neste blog contém um arquivo chamado leia-me.txt. Abrao-o e siga as instruções. É fácil!




    Templates fornecidos pelo  blog Templates.blog

Salvador Nua e Crua - Capítulo 2


Resultado de imagem para poço
Linha Verde.  Noite.  Dentro de um poço em algum lugar  no litoral norte



          Antônio custava  a acreditar que estava lá. Jogado naquele poço. Jogado a própria  sorte.   Já havia gritado  tanto por ajuda que  nem tinha mais voz só Murmúrios.  O tempo passara rápido, e uma pequena parte da lua se mostrava pela luz do poço... Um nesga de luz que entrava  e deixava tudo dentro do poço meio cinza.  As pedras  cobertas de limo , a água escura e salobra.  Alguns objetos sem forma boiando, Indistinguíveis.  Sobre a água  exalava um mal cheiro insuportável. Que cheiro horrível.  Antônio somente se lembrava que  estava no lugar errado, na hora errada. Um mal entendido e pronto. Agora estava ali.  Lembrou que  ainda andou um bom pedaço dentro da mata. Encapuzado. Com as mãos amarradas. Os homens,  vez por outra, falavam que ele iria pro buraco. Nessa hora teve a certeza  que não fosse chegar vivo até  o cair da noite. Depois pararam, desamarram a sua  mão. Pensou em ficar em silêncio e sentir  a morte chegar  rapidamente através das balas. Mas não. Não era isso.  Disseram, “não era  pra ser você seu burro! não era você”. Deram um soco no seu estômago.  Antônio curvou o  corpo com a dor. O ar lhe faltou naquele momento.  Nem  recuperou-se  do golpe  e  o jogaram   para baixo dentro de um poço. Depois de um breve momento suspenso no ar, sentiu bater em algo , era água. Tirou o capuz e agora estava lá. Entregue a própria sorte. Ainda sentia a dor na barriga. Isso já faz  quase  duas horas minutos. Mais ainda o incomoda.   Se segurava o quanto podia dentro do poço mal cheiroso. As pedras eram escorregadias.  Conseguiu agarrasse  apenas em algo que  se parecia com  um cano. Existia  muitos dentro do poço, cada um em uma altura. Pegou  uma  manga  da camisa  e  escorou nesse cano. Isso o mantinha suspenso na água. A  idade não lhe permitiria se manter boiando tanto tempo. É verdade. Cinqüenta e sete anos e ali. Dentro do poço. Hora ou outra sentia que havia insetos ou algo parecido ali. Grunhindo,  passeando entre os canos,  sob as pedras da parede do poço.

     A lua  quase se fazia entrar . Mais algum tempo e ela faria uma  inclinação  perfeita com  o fundo do poço. Isso o ajudaria a visualizar melhor as coisas. Sempre passou a vida como um  coitado, bem verdade.  Não teve pai.  A mãe era  prostituta da ladeira do Taboão.  Morreu sifilítica  quanto ele tinha dez anos.  Antes de morrer disse a ele. Sobreviva.  Foi o que ele fez. Sobreviveu.   Com muito custo vendedor de balas, depois engraxate , sapateiro,  depois  vendedor de livros. Pronto, estava no topo, não podia ir mais longe... Arranjou  mulher , filhos uma casa no morro...mas a maldita da cachaça destruiu tudo. Oh vicio desgraçado!. Oh vicio sem jeito. Uma bebidinha ali, outra aqui... Quando foi ver  já estava viciado de dormi na rua. Perdeu tudo. Tentou lutar mas era fraco. Sempre foi. Nunca soube  levantar a cabeça, nunca soube dizer não.  Agora estava ali. Era injusto, não tinha feito nada. Se não tivesse aceitado a ajuda  de um estranho e vestido as roupas dele... Mas isso lá era motivo pra ta ali?!. Dentro de um poço mal cheiroso.

 A dor na barriga ainda o incomodava... Quase  duas horas hora depois e ainda o incomodava.  Passou a  mão sob a  barriga, a camisa estava estranhamente rasgada , passou o dedo pelo buraco e sentiu que havia  um rasgo na sua barriga, próximo a cicatriz umbilical. Os filhos da puta me furaram!?. O golpe na verdade teria sido uma punhalada. O apunhalaram e  o jogaram no poço. Covardes. A lua agora já quase jazia na lamina de água  do poço. A luz entrava agora  como uma flecha iluminado Antônio e todo o fundo.  O que era antes cinza escuro tornou-se cinza claro , talvez agora ele visse algo pra ser a salvação da sua vida, algo para o ajudar a sair daquela situação. Mas a luz que ilumina é a mesma que amaldiçoa.  O poço, não era poço, o poço era uma fossa. O que boiava sobre a água era restos de fezes. E os canos estavam repletos de dejetos . Que horror. Antonio se desesperou. Não iria morrer dentro de uma fossa. Ninguém nunca o acharia. Não merecia alquilo.    As lagrimas tomou os seus olhos , ele tentava  agarrar as pedras mas escorregava. Então tentou se apoiar nos canos mas  estes não aguentavam seu peso e quebravam antes que ele pudesse erguer o corpo da água. Então  a barriga doeu ainda mais. Uma dor fina, como uma adaga  cravada no abdômen. Ele colocou a mão  novamente  na barriga e quando  a trouxe de volta a visão percebeu que os dedos estavam cobertos sobre algo escuro. Sangue?!. Seu sangue que se esvaia. Como algo inútil. Perdido naquela fossa.  Então ele fechou os olhos, esconjurou os desgraçados que fizeram isso até a décima segunda geração deles. Miseráveis. Quando Antônio abriu os olhos  percebeu algo sobre a  água que   outrora a escuridão  ainda não tinha  lhe mostrado. Pior, na verdade não estava somente sobre a água, estava também  nas paredes, nos canos,  e cada vez se mostrava-se  em maior quantidade. Ratos,  Ratazanas. Tão grandes quanto os maiores que já viu quando dormia  nas ruas.  Estavam ali. Provavelmente se alimentavam dos dejetos da fossa.  E agora se amontoavam ali.  Era o Sangue. O sangue os atraiam. Cada vez  mais. Deviam estar famintos. Eles viviam  no meio do nada, se alimentando de fezes de um fosso antigo. Agora tinham alimento fresco.  Ele.  Ele.  Antônio sentiu seu desespero multiplicar. Começou a gritar  o Máximo que podia. A voz já se fazia ouvir. A mão correndo as paredes.  De repente sentiu como se algo tivesse mordido sua mão.  Desgraçado, desgraçado!  Antônio começou a gritar, clamar por ajuda cada vez mais alto. Então   um rato voou no pescoço.  Ele Pegou o famigerado  e o  atirou na parede. Mal deu tempo de fazer isto. Outro pulou na sua cabeça.  E outro e outro.  Dentro do poço grunhidos de dor e de desesperos brotavam.  La fora. A relva das plantas estava calma. A lua brilhava alto. Tudo  estava em concordância. Somente os gritos destoava... Mas não demorou muito...  Logo se vez ouvir  um silencio tenebroso.

Desarmamento? Funciona? - Leis Obsoletas

                
     Após o   desastre e horror de Realengo volta o assunto  do Desarmamento da população...
     No começo, pensando rapidamente até concordaria. Mas refletindo um pouco...o desarmamento não vai mudar muita coisa. Ou melhor, vai mudar muito pouco. Os bandidos continuarão a comprar armas no comércio ilegal. Os criminosos saberiam que seria sempre menor a possibilidade de um cidadão estar armado, o que os deixariam mais  ousados do que já são. E no final todos nós,   aqueles que fazem a parte dos Mocinhos da historia, seriamos sempre as vítimas  do enredo.
       Uma coisa que Mudaria e ninguém discute  é a alteração dessas leis obsoletas do Código Penal Brasileiro.   Enquanto bandido  tiver  pena reduzida a ponto de nem cumprir um terço da pena a que foi condenado; enquanto matar não significar  algo tão duro quanto uma prisão perpetua.... Nós brasileiros sempre teremos uma licença para matar. E no final  de tudo o importante será saber quando usa-la.

Abraços ojuarianos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...